Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Porta Ŋobre

« Se a nobre cidade do Porto é o tronco do ilustre nome de Portugal ... que português haverá que tenha zelo da honra deste nome, que o não tenha também da honra desta cidade. » (Gaspar Estaço)

A Porta Ŋobre

« Se a nobre cidade do Porto é o tronco do ilustre nome de Portugal ... que português haverá que tenha zelo da honra deste nome, que o não tenha também da honra desta cidade. » (Gaspar Estaço)

DEMOLIÇÃO DOS FERROS VELHOS

No ano de 1904 os Ferros Velhos que se encontravam instalados no local onde hoje temos o quarteirão das Carmelitas foram demolidos de forma a dar lugar às ruas Galerias de Paris e Cândido dos Reis. Juntamente com eles desapareceu também o complexo do convento carmelita feminino, que anos antes havia sido comprado pela município ao Estado. Para memória futura, aqui transcrevo um parágrafo do relatório que Pinto Bessa apresentou em Câmara em 1874, referente a esta compra: «A aquisição do convento e cerca das extintas carmelitas, era uma pretensão muito antiga desta municipalidade, e por diversas vezes haviam as câmaras transatas pedido ao governo aquele prédio como compensação de uma antiga dívida da nação ao município, ou ao menos que fosse posto em praça: adotado pelo governo este segundo alvitre, foi o convento e suas pertenças posto em praça no dia dez de março de 1873, sendo arrematado para a câmara pela quantia de 48:001$000 reis.»

(via O Jornal do Porto de 7 de março de 1874)

 

A fotografia que coloco abaixo é um aspeto da demolição do convento e anexos colhida d' O Tripeiro. Mesmo sendo de má qualidade é extremamente interessante pois nela encerra um dos parcos registos fotográficos do convento das Carmelitas, um dos últimos a surgir no Porto com a fundação remontando apenas a 1702 no sítio do Calvário velho.

DSC00472.JPG

 

Na imagem, tirada da rua das Carmelitas (o fotografo deu as costas à igreja dos Clérigos) surge-nos:

1) Restos de um muro; no extremo direito vemos ainda parte da parede da cerca carmelita.

2) Barracões que pertenciam à Cozinha Económica.

3) Edifício do convento.

4) Capela-mor da igreja (onde estiveram primordialmente alojados os Armazens da Capella, daí o seu nome).

 

armcapella.jpg

  

  

A imagem ao lado pertence a um postal disponível no AHMP que nos mostra o edifício para onde depois da demolição da igreja se transferiram os Armazens da Capella. Sendo uma imagem já reconhecível pelos portuenses da atualidade, permite-nos situar melhor o local da foto acima, através do muro que aparece em ambas. A área deste desnível veio a dar lugar aos edifícios do lado nascente da rua Cândido dos Reis.

 

Hoje, o mesmo local completamente transformado é o epicentro da chamada movida do Porto.

 

Finalmente na imagem abaixo, também ela proveniente de um postal, vêm-se os telhados dos barracões da Cozinha Económica (2), o convento carmelita (3) e um edifício que julgo ser o da Livraria Chardron depois Livraria Lello & Irmão, na fase inicial da sua existência ainda sem o segundo andar (5).

 

postal.jpg 

__________

post originalmente colocado no blogspot em 11/NOV/2011, agora revisto e aumentado

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D