Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Porta Nobre

CONTRIBUTOS PARA A HISTÓRIA DA CIDADE DO PORTO

À procura da Cividade

por Nuno Cruz, em 19.08.17

Em 1932 o Prof. Mendes Correia publicou a sua conhecida obra As origens da cidade do Porto, onde o ilustre académico apresenta em aditamento um resultado sumário das suas escavações num quintal de uma das casas do morro onde se situava o largo do Corpo da Guarda. Essas escavações, as primeiras realizadas de modo científico na cidade do Porto, produziram resultados bastante inconclusivos; contudo vale a pena arquivar nas páginas deste blog o périplo que o autor fez por aquela área à procura da Cividade; pequena mas preciosa descrição de uma das mais antigas zonas da cidade que foi completamente obliterada e cujas derradeiras gerações que a calcorrearam estarão agora a atingir o outono da vida.

 

 

EXCERTO

« ... Veio, porém, o documento de 1519 servir-me de guia para uma perfeita solução do problema [o local da Cividade]. O documento fala na «viela que vai da travessa do Souto para a cividade de sobre os Pelames.» Dirigi-me, na companhia do Dr. Santos Junior, à travessa do Souto, partindo da rua do Souto. A estreita e imunda travessa conduziu-nos à varanda da rua dos Pelames, que domina a rua Mouzinho da Silveira e o rio da Vila, com uma escarpa de forte desnível [topo da fonte monumental que existe na rua Mouzinho da Silveira]. Prosseguindo, fomos por uma rua, hoje continuação da rua dos Pelames, mas que tanto está na sequência desta como na da travessa do Souto. Fomos desembocar quase no alto da calçada do Corpo da Guarda, e, com surpresa, deparámos na nossa frente com um muro alto, que ladeia à esquerda a subida e em cima do qual víamos hortas e árvores. Soubemos logo que as casas que se encontram do mesmo lado e as das ruas Chã e de Loureiro e do largo do Corpo da Guarda que delimitam, com a calçada deste nome, um quadrilátero irregular, ou não têm janelas nas traseiras ou têm janelas e quintais em correspondência apenas com os últimos andares. Entrando nalguns desses quintais, verificámos que essa área corresponde a um escarpado monte, com todas as condições topográficas duma citânia ou cividade. O casario alto é que o ocultava aos nossos olhos. Papéis do fim do séc. XVIII, referentes a um dos prédios, falam da «viela do monte»,  a norte (travessa do Loureiro?).

cividade.jpg

Panorâmica tirada da Catedral onde se pode ver o monte da Cividade e no seu topo o largo do Corpo da Guarda. O n.º 1 indica a rua Chã e o 2 a rua do Corpo da Guarda. No local temos agora a uma cota bem mais baixa a avenida Dom Afonso Henriques. (foto: AHMP)

 

 

Assim, ao lado de S. Bento, entre a calçada do Corpo da Guarda e a Rua Chã, separado da eminência da Sé pelo largo do Corpo da Guarda e pelo vale da rua Escura, há um morro que, dominado os Pelames (como dizia da Cividade o documento de 1519), possuía as condições topográficas favoráveis para a Cividade. Esta designação abrangia também pela mesma época (...) as raízes do monte, o sítio onde se edificaram o mosteiro e depois a estação de S. Bento. É um facto vulgar de extensão toponímica. Recentemente o Sr. Dr. Artur de Magalhães Basto, em artigos do «Primeiro de Janeiro» (n.º de 13 a 21 de Maio de 1932), publicou textos vários, quase todos inéditos, que provam também a existência dum chafariz da Cividade e dum chão da Cividade, corresponde este no séc. XV ao local onde se ergueu o mosteiro de Santo Elói entre o largo Almeida Garrett e o dos Lóios. Verifica-se que o nome da Cividade ultrapassava o local correspondente à actual estação de S. Bento. Como o mesmo autor aventou, era possível tratar-se da supressão, com o tempo, da preposição sob que aparece nas passagens dos documentos do séc. XIV, em que se fala do ressyo a sob a Cividade e das Almoynhas de sob a Cividade. Assim, chão de sob a Cividade passaria simplesmente a chão da Cividade.

 

Obsequiosamente os Srs. Engenheiros António Bonfim Barreiros e Nascimento, da Repartição Municipal da Carta da Cidade, mandaram proceder ao levantamento da carta do morro. Em relação à entrada principal da estação de S. Bento, a diferença de nível do ponto mais alto é de 30 m., mas o desnível é maior em relação à parte sul-ocidental da Praça de Almeida Garret e à base da elevação dos Pelames, na rua Mouzinho da Silveira.

comp.jpg

«Fomos desembocar quasi no alto da calçada do Corpo da Guarda, e, com surpresa, deparámos na nossa frente com um muro alto... »: esta passagem refere-se ao local da imagem 1, que se traduz no entroncamento da rua dos Pelames com a rua do Corpo da Guarda. As imagens 2 a 4 mostram vários estágios da demolição de todo o edificado nascente da rua do Corpo da Guarda: por detrás desses edifícios a diferença de cota salta à vista e foi precisamente neste local que Mendes Correia escavou (o muro que formava o talude ainda se pode ver em parte nas imagens 2 e 3. (imagem 1, foto do autor; imagens 2 a 4 do AHMP). Para auxiliar o leitor a comparar a paisagem atual com a dos anos 50 marquei com um X um edifício que surge em ambas as realidades (ver imagens 1 e 4).

 

De 14 a 26 de Abril de 1932, com amável permissão do Sr. Luis Guimarães, proprietário dum terreno na parte mais alta do monte, procedi a escavações nesse terreno. Encontraram-se espessas camadas de entulhos modernos, restos de antigas paredes correspondentes decerto a edificações sucessivas de que não havia notícia alguma, numerosos fragmentos cerâmicos, pregos, moedas, ossos de animais, etc. Mas nada podia dar-se como seguramente mais remoto do que os tempos medievos.  Entre os restos animais, apareceu um dente de veado. As moedas mais antigas encontradas (segundo a determinação do Sr. Prof. Damião Peres) são do séc. XIV. Mas é bem possível que alguma cerâmica, mesmo os alicerces mais fundos, sejam anteriores.

 

(...) Os entulhos e revolvimentos modernos são numerosos. Além disso, o espaço em que se abriram as valas exploradoras é escassíssimo - poucas dezenas de metros quadrados. O declive da rocha natural da base acentuava-se para oeste e a parede circular profunda [possíveis restos de uma habitação de uma citânia] apareceu precisamente no recanto ocidental do terreno cortado por um forte talude artificial, ao fundo do qual há casas modernas. Desse modo, não foi possível prolongar a escavação nêste sentido. Diligenciarei, porém, ainda fazer novas sondagens nalguns outros reduzidos espaços, hoje libertos de edificações. Mas receio bem que a área disponível não baste para uma pesquisa frutuosa e que a ocupação humana ulterior tenha destruído os restos talvez já muito precários da velha citânia»

aattual.jpg

O local na atualidade: à esquerda vemos o que resta da rua do Corpo da Guarda, ou seja, a sua face oeste (B) e à direita o atual início da rua Chã (A) que perdeu as habitações do gaveto para o largo do Corpo da Guarda. O que resta do antigo morro da Cividade compreende-se apenas nos quintais das casas da rua Chã. O traço curvo representa simbolicamente esse morro já desaparecido. (foto do autor)

 

O que atrás se leu remonta a 1932, contudo deve advertir-se que o desenvolvimento da arqueologia urbana a partir dos anos 80 do século passado veio revelar que a citânia se localizou não no morro da Cividade mas sim no da Penaventosa. Englobando, pelo menos, a área da Catedral e seu terreiro, a Casa do Cabido, o Paço Episcopal bem como a rua de D. Hugo. Em publicação posterior voltaremos ao largo do Corpo da Guarda e ao palacete que nele existiu, prédio ao qual aliás, pertencia o terreno explorado por Mendes Correia.

 

Como corolário de toda a sua investigação, o prof. Mendes Correia propôs, em sessão de Câmara de 16 de julho de 1936 e na qualidade de Presidente da Câmara Municipal (1936-42) o seguinte:

 

«Estando cientificamente averiguado que o povoamento na área da atual cidade do Porto remonta a uma antiguidade muito maior do que se supunha geralmente;

Sendo cabido e oportuno fixar na toponímia portuense todas as designações que possam relacionar-se com a história mais antiga deste agregado populacional;

Tendo, desde o século XVI, caído em desuso o nome Cividade, dado ao morro, encoberto pelo casario moderno; que existe entre a atual estação central dos caminhos de ferro e o Largo do Corpo da Guarda, nome aquele que, por um processo de extensão muito vulgar, designou também algumas imediações daquele morro, distinto do da Sé e, mesmo de cota, mais elevada do que este último;

Sendo à palavra Cividade, graças aos estudos de Martins Sarmento, Alberto Sampaio, Leite de Vasconcelos, Serpa Pinto, Cuevillas, etc., dada uma significação relacionada (como os nomes Citânia, Castro, etc) com a existência de velhos povoados indignas anteriores à ocupação romana, o que vem a indicar a conveniência de fazer reviver esse termo na nomenclatura portuense de locais, como um eloquente testemunho das remotas origens do Porto;

Tendo sido recentemente regularizado o Largo do Corpo da Guarda limítrofe do morro mencionado e estando o nome de Corpo da Guarda conservado já na calçada assim chamada, a Calçada da antiga Relação;

Tenho a honra de propor que o Largo do Corpo da Guarda passe a designar-se Largo da Cividade, nome que uma tradição secular mantivera nas proximidades até ao século XVI e que deve ser reintegrado na nossa toponímia como um dos mais expressivos títulos da antiguidade portuense.»

 

Esta proposta é surpreendente por duas razões: a 1.ª razão é a de ser a primeira e única vez que me recordo de ver um topónimo antigo (largo do Corpo da Guarda), ser substituído por um outro há muito já extinto; em claro contraste com a idiota mania de substituir topónimos seculares por nomes de personalidades! A 2.ª razão é o ficar assim provado que o Estado Novo não só modificou e adulterou, enfim reintegrou monumentos nacionais como permitiu a reintegração de um topónimo morto fazia séculos! Neste caso não foi, como é sabido, por muito tempo, pois que o largo do Corpo da Guarda ou Cividade desapareceu cerca de 1952.

 

E desta forma caros leitores, ficou para mim desfeita a dúvida e mistério de ver um topónimo extinto à quinhentos anos surgir num edifício em demolição anos depois desta proposta, numa banal garagem de automóveis!

garcivid.png

Garagem Cividade no largo que teve este nome durante os derradeiros anos da sua existência: o que não chegou a duas décadas!

 

_

Bibliografia:

As origens da cidade do Porto, de Mendes Correia publicado pelas Edições Pátria (1932); Boletim da Câmara Municipal do Porto

 

Última atualização: 07.07.2018