Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Porta Nobre

CONTRIBUTOS PARA A HISTÓRIA DA CIDADE DO PORTO

A 'rua do Mouzinho', na primeira foto dela conhecida*

06.05.16

Hoje, a bem da verdade, não trago uma fotografia nunca publicada (aparece, por exemplo, na quinta série do O Tripeiro ainda que com fraca qualidade mas mais recentemente a vi já no FB do Porto Desaparecido, embora esta cópia não pareça ter a mesma origem). O registo mostra-nos a rua Mouzinho da Silveira pouco tempo depois de ser aberta, ainda nos anos 70, eventualmente 80, do século XIX. Ela é interessante pois, aparentemente, parece ser a paisagem que todos estamos habituados (menos os automóveis!). Contudo, logo no seu centro e em segundo plano, lá ao fundo notamos diferenças; mas não só aí...

Ei-la:

mouzinho1(1).jpg

 

Como podem verificar nela numerei alguns pontos, que são precisamente para os quais chamo a atenção abaixo.

 

1. Este é o mais óbvio mesmo para o leitor menos dado a esmiuçar as fotografias pretéritas da nossa cidade e que acredito todos logo identifiquem: ao topo da rua deparamos com o mosteiro de São Bento de Avé-Maria duas décadas antes da sua demolição, para dar lugar à estação ferroviária lá existente. E ao seu lado, no gaveto da rua do Loureiro com a rua do Corpo da Guarda, o bonito edifício em estilo neoclássico(?) demolido cerca de 80 anos depois desta foto ter sido tirada, para permitir o enorme rasgão da avenida da ponte (retângulo vermelho).

avemaria.jpg

 

2. Agora chamo a atenção para um pouco acima do centro da rua. Aqui vemos um edifício em construção (que foi encostar à fonte monumental que na foto surge já construída), e do outro lado um espaço em branco. Este espaço foi o que restou do largo do Souto (ou de S. Roque) e que depois foi preenchido com o edifício que hoje lá se encontra. Para quem ainda não sabe de que edifício estou a falar, basta dizer que é o que preenche o lado direito do pequeno larguinho onde se encontrava a Adega do Olho. O mesmo ainda não aparece na carta da cidade de 1892, quando praticamente toda a rua já se encontrava consolidada.

meio(1).jpg

 

3. Finalmente, um curioso pormenor, quem sabe o mais escondido dos três. Vemos no extrato apresentado abaixo que no lado esquerdo da rua se encontram uns edifícios aparentando abandono e antiguidade. Não são com certeza edifícios novos construídos no alinhamento da nova rua. Então o que serão?

biquinha(1).jpg

 

Os leitores assíduos da A Porta Nobre lembram-se com certeza de uma publicação que aqui coloquei sobre a desaparecida rua da Biquinha(1), rua essa que deu lugar a parte da que aqui analisamos. Nela verificamos que as traseiras das casas do lado esquerdo da Mouzinho até um pouco antes da rua da Ponte Nova (no correr onde está, por exemplo, a Tipografia Peninsular) ficaram com um saguão que nada mais é do que a ex-rua da Biquinha. Esse arruamento fazia uma ligeira curva, infletindo para a direita até terminar numa espécie de largo (talvez a palavra pátio, à lisboeta seja a mais adequada). Estas casas naquele local só podem ser construções da rua desaparecida que por qualquer motivo ainda não tinham sido demolidas (e tenho sérias suspeitas de serem umas casas a que se referem processos judiciais referidos na documentação camarária, já bem depois da abertura da rua). Atualmente porém, estas edificações já não existem, e talvez o único resquício da velha Biquinha, visto da Mouzinho da Silveira, seja um segundo andar recuado e em ângulo existente numa edifício que foi chamado ao alinhamento da nova rua... Mas isto já seria conjeturar demais sem obter confirmação documental...

 

Como curiosa nota, não tão... romântica, da história da abertura desta rua; recordo um protesto que um morador da mesma expôs à câmara municipal motivado por um pequeno terreno (salvo erro de 3m2) que confinava com a sua casa e cujo proprietário ainda não havia urbanizado. Na origem do protesto estava o uso que populares lhe davam de latrina, dado que este não se encontrava devidamente tapado, estando pelo estado de estaleiro em que a rua se encontrava em local algo recôndito! Uma face da cidade que não estamos habituados a "sentir" quando exploramos o apaixonante mundo da história do nosso burgo, mas que não era caso único, pois com outros exemplos já me deparei nas minhas pesquisas.

 

___

1 - A republicar no futuro.

* OBS: Não sei se o título é exato. Acredito que em mãos de colecionadores particulares existam outras fotos, inclusive da sua abertura... ainda assim esta é a mais antiga que conheço.

1 comentário

Comentar post