Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Porta Nobre

CONTRIBUTOS PARA A HISTÓRIA DA CIDADE DO PORTO

Uma hipótese para uma esfera

20.08.19

Todos conhecerão o local onde se situa o Ateneu Comercial do Porto, histórica e viva instituição da cidade que irá completar 150 anos de existência no próximo dia 29 de agosto. O que muitos poderão não saber é que atrás do seu edifício existe uma escondida viela sem saída que dá pelo nome de Beco de Passos Manuel e que nessa viela se esconde um pequeno segredo. Quem descer a rampa contígua ao Ateneu e virar à sua direita, dará quase de imediato com um pequeno armazém que remontará possivelmente ao início do século XX. Se atentar na empena verá ao centro uma estranha pedra que à primeira vista parece um pipo com uma cruz a encima-lo. Essa pedra é tão somente uma Esfera Armilar acompanhada pela cruz da Ordem de Cristo[1]: símbolos manuelinos bem conhecidos.

 

DSC03436.jpg

i1 a Esfera Armilar coroada pela Cruz de Cristo - foto do autor

 

Qual a origem dela? Terá vindo de outro local? Terá sido criada de raiz para ali ser colocada? Difícil será responder a essa pergunta... Ela não parece contudo apresentar qualidade suficiente para ter encimado quer a Porta Nova de Carros quer o convento de S. Bento de Avé-Maria, ambos criações manuelinas que se apresentam como os mais aptos - por mais próximos - a terem cedido aquele pétreo símbolo ao local onde agora se encontra. É que, convenhamos, a esfera tem um aspeto algo rústico e desproporcional. Até que ponto teria sido aceite por quem quer que estivesse encarregado de gerir as obras quer da porta quer do mosteiro, para ser colocado como símbolo da grandeza do homem mais poderoso do mundo no seu tempo?

 

DSC03438.jpg

i2 eis como se encontra o edifício onde subsiste aquela pedra. As referências aos seus antigos proprietários foram apagadas mas algumas das palavras ainda se adivinham: no topo em ambos os lados esteve a palavra Armazéns; por baixo à esquerda a palavra Granado - foto do autor

 

À boleia desta questão não pude deixar de verificar o que dizia Sousa Reis sobre o convento de S. Bento e sobre ele li o seguinte: « ... conservando-se para eterna memória de seu fundador sobre a entrada principal voltado para o lado do largo da Feira de S. Bento[2] uma esfera, e a cruz da Ordem de Cristo, tudo de pedra empresa deste monarca.». Com esta informação em memória de pronto pesquisei em várias imagens do convento de S. Bento de Avé-Maria, sendo que uma delas acabou por me mostrar a tal esfera com relativo pormenor (o mesmo não acontecendo com a cruz por se encontrar fora do enquadramento). E com essa imagem tirei a teima: a esfera do beco de Passos Manuel e do mosteiro de Avé-Maria não são a mesma. Para além da clara diferença no arredondado da esfera, a pedra que está patente no beco de Passos Manuel deixa transparecer tratar-se de um só elemento.

 

Mas se essa questão se dissipava no pensamento outra se levantava ou contemplar aquela fotografia tão rica pelos pormenores barrocos que mostra, quer do pátio do convento quer da fachada do coro e igreja. E no que toca à sua Esfera Armilar tinha a certeza de já ter visto algo semelhante...

 

A i2 mostra-nos uma Esfera Armilar que se encontra desde 1940 em depósito no Museu Nacional Soares dos Reis; tendo sido exposta na Casa do Infante aquando do quinto centenário da outorga do foral ao Porto por D. Manuel I.[3] Esta pedra com meio metro de altura datará do século XVI ou XVII.[4]

 

Screenshot_2.png

i2 «Escultura em granito. Elemento arquitetónico anepígrafo constituído por uma esfera com seis anéis na horizontal (deviam ser cinco paralelas: Equador, trópicos e circulos polares) e treze meridianos, sendo a elíptica representado por um anel vertical sobreposto aos restantes. É coroado por um pequeno pináculo troncocónico, apresentando na base um encaixe quadrangular para fixação num suporte».[5]

 

No final do século XIX a Câmara Municipal acordou com as poucas religiosas de S. Bento que ainda ali louvavam a Deus, a demolição de uma parte substancial do mosteiro para poderem alargar o largo da Feira que pouco mais larga seria do que a própria rua das Flores. Essa demolição afetou o pátio onde figuravam aquelas pedras, que foram por isso removidas. Veja-se esta nota do Relatório Municipal de julho de 1888:

 

«Tem prosseguido com a possível celeridade a demolição de parte do convento de S. Bento de Avé-Maria, destinada a ampliar aquela principal e quase única via de comunicação entre a parte norte e a parte sul da cidade, e que tanto carece de capacidade para o grande movimento que por ali se realiza.

Hoje, que se conta com a construção de uma estação de caminho-de-ferro nos terrenos ocupados pelo convento e sua cerca, poderá julgar-se um desperdício o que ali se tem despendido.

É necessário, porém, não esquecer, que as obras foram começadas, quando a construção da estação era uma simples aspiração; que apeados os telhados e parte do muro exterior, forçoso era conceder ao convento a vedação que estava estabelecida no contrato exarado no respetivo processo de expropriação, e sobretudo que as expropriações e demolições de todos os edifícios cujo terreno tivesse de ser aproveitado para a via pública, teriam de ser sempre feitos a expensas do cofre municipal.»[6]

 

Nos arquivos da Câmara existem alguns documentos referentes à venda de materiais resultantes da demolição do convento. E é sabido que várias pedras lavradas impregnadas de elementos barrocos foram parar a mãos de particulares. Mas não todas... algumas terão sido recolhidas pela edilidade para o museu municipal a S. Lázaro, e daí transitando para o Soares dos Reis. E é de crer que a Esfera Armilar e a cruz que sempre a acompanha tenham tido esse destino, pois para além do seu valor estético e documental eles eram apesar de tudo símbolos reais e Portugal era ainda uma monarquia. Se aquelas pedras recolheram ao museu, o rasto de onde as mesmas vieram perdeu-se por ausência ou extravio da documentação que o registasse (ou porque simplesmente ninguém até hoje se preocupou em a procurar).

 

 

Screenshot_1.png

i3 parte de uma conhecida imagem do convento na sua máxima extensão construtiva, com a Esfera Armilar assinalada por uma seta.

 

No pormenor da fotografia i4, é possível comprovar a enorme semelhança entre aquela pedra e a da i2 (no lado oposto estava a Cruz de Cristo). Faço notar que alguns dos elementos barrocos ali presentes ainda hoje adornam parques da nossa cidade sem nós sabermos muito bem de onde eles vêm, sendo os mais conhecidos os arcos do pátio (visíveis na foto) que hoje se encontram na Serra do Pilar a meses de se tornarem átrio de hotel.

 

porm.png

i4 recorte dessa mesma imagem mostrando a Esfera Armilar com algum pormenor

 

A minha proposta é portanto simples: A Esfera Armilar que pertenceu ao Mosteiro de S. Bento de Avé-Maria é aquela se encontra depositada no Soares dos Reis. Ainda que se realmente assim é, certeza absoluta possivelmente nunca teremos a não ser que algum documento venha a surgir no Arquivo Municipal do Porto ou nos arquivos do dito museu. Parece-me contudo ser essa a hipótese mais plausível à luz dos dados que conheço.

 

Há certamente algum meu leitor que, por mais abalizado, me poderá contradizer, concordar ou retificar; a quem desde já agradeço todo e qualquer pertinente comentário.

 

__________________________________

1 - A Ordem de Cristo foi a continuação em Portugal dos famosos templários extintos em 1319 pelo papado; sendo um arguto subterfúgio encontrado por D. Dinis para não dispersar os bens desta última, na prática mantendo-a com outro nome. O nome oficial de ambas era Ordem da Milícia de Jesus Cristo (para a Ordem de Cristo) e Ordem dos Pobres Cavaleiros de Cristo e do Templo de Salomão (para os templários).

2 - Hoje praça de Almeida Garret.

3 - O foral manuelino, ainda que um documento organizativo fundamental da cidade, não deixa de ser como que um primeiro símbolo do centralismo político crescente.

4 - Para vergonha e agora tristeza minhas, não visitei aquela exposição! Não pude contudo deixar de ver a pedra de que falo pois ela encontrava-se precisamente em frente à porta de entrada do átrio do Arquivo Municipal do Porto e por ela passei diversas vezes quando fui fazer as minhas pesquisas.

5 - Texto retirado da brochura Peça do Mês de março de 2015, da autoria do Dr. António Manuel Silva.

6 - Estas demolições não são, como o próprio texto deixa implícito, as da totalidade do convento que só ocorreriam alguns anos depois. Foi contudo a primeira machadada na integridade daquela casa cujo fim inglório e até em parte injustificado, já se adivinhava...

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.